quinta-feira, 20 de junho de 2024
Campo Grande
19°C

Rádio SOUCG

  • ThePlus Audio

Substituto da E3, Summer Game Fest herdou apenas a pior parte do evento

André Mello

Substituto da E3, Summer Game Fest herdou apenas a pior parte do evento

Por muito tempo, a indústria e os próprios jogadores argumentavam que a E3 estava perdendo importância — e o fim do evento
apenas confirmou isso. Contudo, embora o Summer Game Fest não tenha nem esperado o corpo esfriar para se apresentar como substituta, fica claro que a “festa” organizada por Geoff Keighley herdou apenas o que havia de pior na feira: sua irrelevância.

O evento organizado por Geoff Keighley transforma um período que, sim, era basicamente um grande desfile publicitário por parte de empresas de videogame, mas que ainda tinha certo charme, em uma apresentação sem vida, muitas vezes com foco equivocado e que deixa ainda mais claro que estamos assistindo a uma grande vitrine de shopping center online.

Os tempos dourados não voltam mais

Não é difícil encontrar pessoas que se lembram dos tempos dourados da E3, em que jogadores se reuniam em fóruns e redes sociais para comentar as várias conferências de Microsoft
, Sony
, Nintendo
, Ubisoft
, entre outras. Era uma grande festa, quase um “natal para jogadores de videogame”.


Podcast Porta 101
: a equipe do Canaltech discute quinzenalmente assuntos relevantes, curiosos, e muitas vezes polêmicos, relacionados ao mundo da tecnologia, internet e inovação. Não deixe de acompanhar.

A E3 era o sonho de muitos jogadores ao redor do mundo, podendo participar de testes de novos jogos ou simplesmente estar presente durante o anúncio de novos títulos. Existem revelações feitas durante a E3 que até hoje valem a pena ser revisitadas no YouTube
, como o primeiro trailer de Final Fantasy 7 Remake
e Shenmue 3.

Ou quando Shigeru Miyamoto
apareceu no palco, após o trailer de The Legend of Zelda: Twilight Princess
, com direito a Master Sword e Hyrule Shield e tudo.

Até mesmo os momentos vergonhosos, como a lendária conferência da Konami em 2010, tudo aquilo fazia da E3 um evento para não se perder.

A E3 tinha a sua magia, mas aos poucos, ela começou a sumir. Altos custos de produção de conferências passaram a ficar pesados demais para algumas desenvolvedoras. Será que valia mesmo gastar milhares de dólares para mostrar uma meia dúzia de trailers de novos jogos?

Foi assim que a Nintendo começou a puxar a cordinha, inaugurando o seu Nintendo Direct. Com uma apresentação fora da E3, mas que começou acontecendo na mesma época, a empresa lançou uma versão editada, mostrando exatamente tudo o que queria no seu tempo, com os jogos funcionando da maneira imaginada.

E deu certo. O Nintendo Direct virou uma espécie de modelo para que outras empresas também vissem os altos custos da organização da E3 como supérfluos, podendo ser aplicados em outras peças de marketing. Quer apresentar novos jogos? Basta fazer o seu próprio Direct.

Algumas empresas fazem isso muito bem, como a Devolver Digital e a Ubisoft. A Microsoft é a única que segue com Showcase ainda muito próximo dos velhos tempos da E3. A Sony realiza suas apresentações, nem sempre entregando aquilo que o público quer ver, mas faz tudo ao seu próprio tempo.

Esse e outros motivos acabaram com a relevância da E3. Enquanto a convenção era usada para o networking entre desenvolvedores e jornalistas de games, toda a atenção dessas empresas acabou se voltando para si.

Quando o fim da E3 foi oficialmente decretado, Geoff Keighley estava pronto para assumir o lugar com a sua própria apresentação, o Summer Game Fest.

Uma extensão do The Game Awards

Keighley tem vários anos de experiência na indústria de games, cobrindo vários lançamentos importantes como jornalista e, eventualmente, ficando na organização e apresentação do The Game Awards
, considerada atualmente como a principal premiação da indústria de games.

Não parecia absurdo quando Keighley anunciou, com a E3 dando seus últimos suspiros, o Summer Game Fest. Várias empresas viram na visibilidade que o TGA tinha como uma chance do mesmo se repetir no SGF, algo que de fato aconteceu.

Porém, salvo algumas exceções, o SGF parece uma E3 “limpinha”. Todos os anos, acontecem anúncios e trailers bastante interessantes, mas a indústria de games mudou. Um anúncio hoje significa um lançamento daqui a cinco ou seis anos. Aquele clima de “Copa do Mundo” não está presente.

Em 2024, o próprio Keighley tentou acalmar as expectativas dos espectadores
em relação aos grandes anúncios, querendo focar mais em títulos já anunciados. A Sony já fez sua apresentação com o State of Play do dia 30 de maio. A Nintendo prometeu um Direct para junho, mas ainda sem data confirmada. A Microsoft é a única que segue firme com seu Showcase, em um ano pelo qual passa por um período bastante delicado na sua história com games.

E o Summer Game Fest está no meio de tudo isso. Uma grande festa, sem sombra de dúvidas, mas cada vez mais, ela parece a festa daquele priminho que já está com idade em que a abundância de docinhos e salgadinhos é coisa do passado, e no máximo, pedem umas pizzas com refrigerante e você precisa se contentar com uma fatia meio triste de marguerita. E você nem gosta de marguerita.

Leia a matéria no Canaltech
.

Trending no Canaltech:

Fonte

Enquete

O que falta para o centro de Campo Grande ter mais movimento?

Últimas