sexta-feira, 19 de abril de 2024
Campo Grande
28°C

Rádio SOUCG

Ripley | Conheça a nova versão da Netflix para o clássico da literatura

Paulinha Alves

Ripley | Conheça a nova versão da Netflix para o clássico da literatura

Ripley
, nova minissérie de suspense psicológico escrita, dirigida e produzida pelo vencedor do Oscar Steven Zaillian ( A Lista de Schindler
), chega à Netflix
na próxima quinta-feira (4). Baseado no livro O Talentoso Ripley
— um clássico da literatura escrito por Patricia Highsmith, em 1955 —, o show será dividido em oito episódios, que contam a história de um vigarista no início dos anos 60 em Nova York.

Personagem famoso da literatura, responsável por protagonizar uma série de romances lançados após o sucesso do primeiro livro, Tom Ripley ganhou inúmeras interpretações ao longo dos anos, aparecendo em filmes, peças de teatro, especiais de TV, rádio e até áudio-livro.

Uma das mais famosas foi a feita por Matt Damon
( Perdido em Marte
) no longa-metragem O Talentoso Ripley
, de 1999. Escrita e dirigida por Anthony Minghella ( O Paciente Inglês
), a adaptação foi um sucesso nos cinemas, popularizando ainda mais a figura do personagem e sendo indicada a cinco estatuetas do Oscar.


CT no Flipboard
: você já pode assinar gratuitamente as revistas Canaltech no Flipboard do iOS e Android e acompanhar todas as notícias em seu agregador de notícias favorito.

Nesta nova versão da Netflix, no entanto, quem dá vida ao protagonista do título é o ator Andrew Scott (
Todos Nós Desconhecidos

), que confessou à Vanity Fair ter tentado não “diagnosticar” as atitudes de Tom e fugir de ideias preconcebidas para criar o papel.

Uma decisão que, ao menos pelo trailer, parece ter resultado em um protagonista tão inteligente e dissimulado quanto o dos livros, mas que aqui aparece ainda mais soturno do que o original.

Qual a história de Ripley?

Originalmente um projeto do Showtime, que mais tarde acabou sendo adquirido pela Netflix, Ripley
segue os passos de Tom Ripley, um misterioso rapaz que ganha a vida na cidade de New York praticando todo tipo de estelionato. Esperto e sedutor, Tom cruza o seu caminho com o de um rico industrial, que deseja mais do que tudo que seu filho, o rebelde herdeiro Dickie Greenleaf (Johnny Flynn), volte para casa.

Para isso, ele contrata Tom para que o protagonista vá até a Itália, se aproxime de seu filho e o convença a largar a vida de prazeres que vive por lá. Um trabalho que Ripley aceita sem muitas contestações, mas que o leva a embarcar em uma história de enganos, fraudes e assassinatos.

Gravada toda em preto e branco em estilo noir, a produção conta ainda com Dakota Fanning ( O Protetor
) em seu elenco — no papel de Marge Sherwood, a namorada de Dickie, que logo desconfia das intenções de Tom —, Eliot Sumner (
Magnatas do Crime

), como um dos amigos do herdeiro e John Malkovich ( Quero Ser John Malkovich
), que não teve detalhes sobre o seu papel revelados.

Ator deseja empatia pelo personagem

Embora seja inquestionável a responsabilidade de Andrew Scott de interpretar o famoso papel, o ator parece não estar tão preocupado com suas escolhas para dar vida ao protagonista, mas sim em como o público pretende encarar as atitudes de Tom Ripley.

Em entrevista à BBC, ao ser questionado se seguiria por uma linha parecida ao que fez em Sherlock
— série britânica em que deu vida ao gênio do crime Jim Moriarty —, Scott deixou claro que os personagens são muito diferentes e que ele deseja que o público consiga enxergar Tom Ripley com outros olhos.

“Com Moriarty, eu senti como se estivesse interpretando um vilão e, por algum motivo, recusei chamar Ripley de vilão. Ele é um anti-herói e cabe a mim fazer com que o público saiba o que é ser Ripley, e não ser vítima de Tom Ripley. Devemos ter empatia por ele. Ele é o protagonista disso”, explicou o ator.

Ripley
chega na próxima quinta-feira (4) à Netflix. Na data, todos os oito episódios do show ficarão disponíveis no catálogo do streaming
.

Leia a matéria no Canaltech
.

Trending no Canaltech:

Fonte

Enquete

O que falta para o centro de Campo Grande ter mais movimento?

Últimas