sábado, 18 de maio de 2024
Campo Grande
19°C

Rádio SOUCG

Por que IA na prática jurídica? Justificação e possíveis soluções

FreePik

Inteligência Artificial na Prática Jurídica

inteligência artificial (IA)
tem conquistado um papel cada vez mais proeminente em diversas esferas da sociedade, e o campo jurídico não é exceção. Recentemente, uma pesquisa da Thomson Reuters destacou a crescente importância da IA no cenário legal, apontando para a inevitabilidade de sua adoção generalizada. Neste artigo, exploraremos as justificativas por trás dessa tendência e discutiremos possíveis soluções para a integração bem-sucedida da IA no mundo do direito.

Premissas Iniciais:

De acordo com recente pesquisa da Thomson Reuters, um dos insights mais significativos é a percepção de que o uso de ferramentas legais habilitadas por IA se tornará uma prática recomendada na profissão jurídica. Entre grandes escritórios de advocacia, aqueles com 180 ou mais advogados, 56% acreditam que a IA se tornará uma parte fundamental na prática do direito nos próximos cinco anos. Dentro desse mesmo grupo de pesquisa, 33% acreditam que esse prazo é ainda mais curto, alegando que a IA já está presente ou que será mais amplamente utilizada nos próximos três anos. Para os 40% dos grandes escritórios que já utilizam ferramentas aprimoradas pela IA, a linha do tempo já se tornou quase irrelevante. Por outro lado, escritórios menores têm sido mais lentos em incorporar a IA, com apenas 23% dos escritórios de médio porte (aqueles com 11 a 179 advogados) e 10% das práticas menores adotando essa tecnologia.

A pesquisa indica que a lacuna entre escritórios que adotam a IA e aqueles que a evitam tende a se ampliar. Clientes atentos provavelmente esperarão que seus advogados estejam do lado certo dessa lacuna. A possibilidade de que grandes clientes corporativos maduros tenham acesso a capacidades igualmente sofisticadas (ou idênticas) é muito forte. O papel cada vez mais abrangente da IA nas empresas sugere que sua presença (ou ausência) será notada por outros agentes no sistema de justiça, como advogados adversários, juízes e entidades legais governamentais. O uso de tecnologia jurídica aprimorada pela IA está prestes a se tornar um padrão de competência no futuro. Advogados já têm a opção de utilizar essas ferramentas, e aqueles que optarem por não fazê-lo podem estar colocando seus clientes, e consequentemente suas próprias práticas, em desvantagem competitiva.

Justificação para a Adoção da Inteligência Artificial no Direito:

1. Eficiência:
A adoção da IA no direito pode aumentar significativamente a eficiência dos processos legais. A IA pode realizar tarefas repetitivas, como revisar documentos e analisar vastos conjuntos de dados, em uma fração do tempo que um ser humano levaria. Isso permite que os advogados foquem em tarefas mais complexas e estratégicas.

2. Análise de Dados:
A IA pode extrair insights valiosos a partir de grandes volumes de informações legais, auxiliando na tomada de decisões informadas. Ela pode identificar tendências, precedentes relevantes e até mesmo prever resultados de casos com base em dados históricos.

3. Redução de Erros:
A IA é capaz de realizar análises precisas e consistentes, reduzindo a probabilidade de erros humanos que podem ser caros e prejudiciais.

4. Acessibilidade:
A IA pode tornar serviços jurídicos mais acessíveis, pois pode automatizar tarefas que anteriormente eram demoradas e caras.

5. Acompanhamento de Mudanças na Legislação:
A IA pode monitorar constantemente as mudanças na legislação e regulamentos, permitindo que os advogados estejam sempre atualizados e em conformidade.

Possíveis Soluções para a Adoção da Inteligência Artificial:

1. Educação e Treinamento:
É fundamental que os advogados recebam treinamento adequado para entender e utilizar as ferramentas de IA de maneira eficaz. As faculdades de direito e instituições de ensino continuado devem incorporar a IA em seus programas educacionais.

2. Parcerias Estratégicas:
Escritórios de advocacia, especialmente os menores, podem buscar parcerias com empresas de tecnologia para acessar e implementar soluções de IA.

3. Avaliação de Necessidades:
Os escritórios devem avaliar suas necessidades específicas e identificar as áreas em que a IA pode ser mais benéfica. A personalização é essencial.

4. Investimento em Pesquisa e Desenvolvimento:
A inovação é um aspecto crucial na integração bem-sucedida da IA. Os escritórios podem investir em pesquisa e desenvolvimento internos ou colaborar com empresas de tecnologia para criar soluções sob medida.

5. Conscientização e Comunicação:
Advogados devem estar cientes das implicações éticas, legais e de segurança da IA e comunicar essas informações de forma transparente aos clientes.

Conclusão:

A adoção da inteligência artificial no campo jurídico é uma tendência inevitável. Ela promete melhorar a eficiência, reduzir erros e aumentar a acessibilidade aos serviços jurídicos. Para se manterem competitivos e atender às expectativas dos clientes, os advogados devem abraçar essa mudança e buscar soluções adequadas para incorporar a IA em suas práticas. A educação, a colaboração estratégica e a inovação desempenharão papéis essenciais nesse processo de transição. No futuro, a capacidade de utilizar a IA de forma eficaz pode ser um diferencial determinante para o sucesso no campo jurídico.

Espero que você tenha sido impactado e profundamente motivado pelo artigo!

Quero muito te ouvir e conhecer a sua opinião! Me escreva no e-mail: [email protected]
Até nosso próximo encontro!

Muzy Jorge, MSc.

Preparado para desvendar o potencial extraordinário da Inteligência Artificial em sua organização?
Entre em contato conosco e vamos explorar juntos como podemos ser seu parceiro na jornada de incorporar as tecnologias exponenciais em seus processos e estratégias corporativas, através da capacitação dos seus funcionários, de maneira verdadeiramente eficiente e inovadora.

Inscreva-se em nossa Newsletter e não perca nenhuma das novidades dos programas de IA do INSTITUTO VALOR:  https://valor.org.br/formulario/

Fonte

Enquete

O que falta para o centro de Campo Grande ter mais movimento?

Últimas