sábado, 20 de julho de 2024
Campo Grande
20°C

Rádio SOUCG

  • ThePlus Audio

Por que a morte dos dinossauros tem tudo a ver com uvas e vinho

Augusto Dala Costa

Por que a morte dos dinossauros tem tudo a ver com uvas e vinho

Gosta de vinho
? Pois na próxima vez que abrir uma garrafa da bebida, lembre-se de agradecer ao asteroide que exterminou os dinossauros, há 66 milhões de anos. Pesquisadores encontraram alguns dos fósseis mais antigos de uvas do mundo, os primeiros das Américas, e descobriram como o sumiço dos grandes répteis ajudou o fruto a se desenvolver plenamente.

Especialistas de diversos museus americanos descreveram o achado na revista científica Nature Plants
— são sementes de uva fossilizadas
que variam entre 19 e 60 milhões de anos de idade, vindas da Colômbia, Panamá e Peru. Elas mostram como a família da planta se espalhou após a queda dos dinos, sendo alguns milhões de anos mais jovens que as mais antigas encontradas no hemisfério leste.

Uvas, sementes e dinossauros

Os tecidos moles dos frutos raramente ficam preservados, então sementes de uva são o que encontramos em estado fóssil
. As mais antigas do mundo foram encontradas na Índia, com 66 milhões de anos, não por coincidência — foi nessa época que o asteroide caiu, nas proximidades da Península de Yucatán. Como isso está ligado às plantas, no entanto?


Podcast Porta 101
: a equipe do Canaltech discute quinzenalmente assuntos relevantes, curiosos, e muitas vezes polêmicos, relacionados ao mundo da tecnologia, internet e inovação. Não deixe de acompanhar.

Os fósseis de uva, em reconstrução por tomografia, no topo, e em representação artística, abaixo (Imagem: Fabiany Herrera/Pollyanna von Knorring)
Os fósseis de uva, em reconstrução por tomografia, no topo, e em representação artística, abaixo (Imagem: Fabiany Herrera/Pollyanna von Knorring)

Segundo os cientistas, os dinossauros
alteravam o meio-ambiente, especialmente as florestas: os maiores deles, ao andar pela vegetação, derrubavam árvores, tornando os ambientes muito mais abertos do que são hoje.

Sem a “poda” saurópode, no entanto, as florestas tropicais puderam se desenvolver plenamente, como as da América do Sul, ficando densas e criando o dossel, acima, e o sub-bosque, ou floresta de baixa estatura, abaixo.

A partir da extinção dos répteis massivos
, a ciência começa a notar mais plantas que usam vinhas para subir nas árvores em busca de luz, como as uvas. Pássaros e mamíferos também se diversificaram na época, ajudando as uvas a dispersar suas sementes com mais eficiência.

O meteoro que aniquilou os dinossauros e gerou a cratera de Chicxulub permitiu que as florestas se densificassem e diversificassem suas plantas (Imagem: Donald E. Davis/CC BY-SA 3.0)
O meteoro que aniquilou os dinossauros e gerou a cratera de Chicxulub permitiu que as florestas se densificassem e diversificassem suas plantas (Imagem: Donald E. Davis/CC BY-SA 3.0)

O fóssil sul-americano
encontrado primeiro, em 2022, está na casa dos 60 milhões de anos, e foi nomeado Lithouva susmanii
após confirmar ter pertencido a uma antiga uva. O nome homenageia Arthur T. Susman, apoiador da paleobotânica da América do Sul no Museu de Campo de História Natural de Chicago, um dos participantes do estudo. O significado do nome científico é “uva de pedra de Susman”.

O curioso é que a semente é parente distante das uvas modernas
das Américas, algumas das espécies mais novas encontradas posteriormente ( Leea
) só podem ser encontradas no hemisfério leste, mostrando a jornada tumultuosa das uvas na evolução.

Elas já foram extintas diversas vezes nas Américas Central e Sul, mas seguem sobrevivendo e se adaptando. Isso revela aos cientistas como as crises de biodiversidade ocorrem, o que pode nos ajudar a entender e prevenir extinções em massa — e nos conta um pouco mais sobre a história da evolução das florestas.

Leia a matéria no Canaltech
.

Trending no Canaltech:

Fonte

Enquete

O que falta para o centro de Campo Grande ter mais movimento?

Últimas