domingo, 21 de julho de 2024
Campo Grande
30°C

Rádio SOUCG

  • ThePlus Audio

Paracetamol pode induzir a comportamento de risco; entenda

Augusto Dala Costa

Paracetamol pode induzir a comportamento de risco

Um dos analgésicos mais comuns do mundo, usado principalmente contra dores de cabeça, pode afetar a percepção de risco — e nos fazer tomar decisões mais arriscadas sob efeito do remédio. O medicamento em questão é o acetaminofeno, também conhecido como paracetamol
, e vendido sob diversos nomes de fantasia.

Em estudo realizado por cientistas das Universidades Estadual de Ohio e do Oregon, foram testados os efeitos comportamentais do acetaminofeno, como a redução de emoções negativas ao contemplar atividades arriscadas. Outras pesquisas já apontaram efeitos psicológicos da droga, como a diminuição da receptividade a mágoas sentimentais, da empatia e até das funções cognitivas.

Paracetamol e risco

Para descobrir mais sobre os efeitos do remédio
, experimentos foram feitos com mais de 500 estudantes universitários, que consumiram 1 g de acetaminofeno, dose máxima recomendada para adultos, dividindo metade para comparação, sendo um grupo placebo (ou seja, sem tomar o medicamento, mas pensando que tomou).


Participe do GRUPO CANALTECH OFERTAS no Telegram
e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Vendida como paracetamol, a acetaminofena está presente em mais de 600 medicamentos diferentes, e pode afetar o comportamento humano (Imagem: Jeshoots/Pexels)
Vendida como paracetamol, a acetaminofena está presente em mais de 600 medicamentos diferentes, e pode afetar o comportamento humano (Imagem: Jeshoots/Pexels)

No teste, os participantes deviam inflar um balão virtual, onde cada clique enchia um pouco mais, e cada uma das infladas rendia dinheiro imaginário. A meta era fazer a maior quantidade possível de dinheiro — caso o balão estourasse, todo o dinheiro seria perdido.

Quem tomou paracetamol
teve um comportamento mais arriscado, enchendo mais os balões, e também os estourando mais do que o grupo placebo, este mais cauteloso.

Uma pesquisa escrita também foi feita, onde os voluntários davam notas de nível de risco percebido em diversos cenários, como apostar um dia de salário em um jogo esportivo, pular de bungee jumping ou dirigir sem cinto de segurança. Um dos questionários mostrou uma redução na percepção de risco nos que tomaram o medicamento
, enquanto um segundo não teve o mesmo efeito percebido nos resultados.

A percepção de risco de quem tomou paracetamol para atividades como bungee jumping diminuiu, segundo a pesquisa (Imagem: Tambako The Jaguar/CC-BY-ND-2.0)
A percepção de risco de quem tomou paracetamol para atividades como bungee jumping diminuiu, segundo a pesquisa (Imagem: Tambako The Jaguar/CC-BY-ND-2.0)

Os cientistas lembram que o experimento não reflete, necessariamente, o comportamento de quem consome acetaminofeno na vida real, enfrentando situações no cotidiano, mas pode indicar uma relação entre a percepção de risco mesmo assim. Alguns processos psicológicos, afirmam eles, podem explicar o comportamento.

É possível, por exemplo, que a redução de ansiedade
que o remédio traz seja a principal responsável pela diferença: o grupo placebo, que acumula maior ansiedade, pode preferir não inflar mais o balão e garantir o dinheiro, mesmo que em menor quantidade, com base nisso.

Será necessário investigar o mecanismo biológico responsável pelos efeitos da droga nos usuários no futuro, bem como realizar mais testes para confirmar a relação entre seu uso e a mudança no comportamento humano.

Leia a matéria no Canaltech
.

Trending no Canaltech:

Fonte

Enquete

O que falta para o centro de Campo Grande ter mais movimento?

Últimas