sexta-feira, 21 de junho de 2024
Campo Grande
22°C

Rádio SOUCG

  • ThePlus Audio

Nova cor de gato é descoberta pela ciência

Augusto Dala Costa

Nova cor de gato é descoberta pela ciência

Uma nova cor de gato
foi descoberta e descrita por pesquisadores finlandeses — é o “salmiakki”, ou “salmiak”, nome dado em homenagem ao doce escandinavo homônimo com aparência de “flocos”, ou seja, escuro com pintas brancas. Nos gatos, o padrão também é escuro com pintas brancas, mas o pescoço, o peito, a barriga e as patas são brancas, como se estivesse vestindo um terno.

A cor diferenciada é causada pela mudança de cor de cada pelo do felino
, que é diferente entre a raiz e a ponta — começa escuro próximo à pele e perde gradualmente a cor até ficar branco. Geneticamente falando, isso é de suma importância para a ciência, não sendo apenas mera curiosidade sobre os bichanos.

Gatos e suas cores

Nossos gatos domésticos
vêm, geralmente, em duas cores — laranja e preto. Você deve se lembrar de felinos
com cores diferenciadas, mas essas pelagens são alguma variação de ambas as cores em algum nível de descoloração, combinação ou ambos. Os salmiakki (que, em finlandês, quer dizer “sal amoníaco”) têm uma parte do DNA faltando, basicamente. Sua cor incomum chamou a atenção da ciência em 2007.


CT no Flipboard
: você já pode assinar gratuitamente as revistas Canaltech no Flipboard do iOS e Android e acompanhar todas as notícias em seu agregador de notícias favorito.

A mutação que gera a característica salmiakki é recessiva, ou seja, ambos os pais precisam ter o gene para passar a coloração ao filhote. O gene se chama “KIT”, responsável pelo degradê de laranja e preto nos gatos
. Como o que causa a característica é a ausência do gene, os cientistas tiveram de mapear o genoma inteiro dos salmiakkis — e estudar 181 gatos.

Dos três que eram salmiakki no grupo estudado, todos não tinham a parte do gene KIT no DNA, enquanto três outros gatos
tinham a mesma mutação, mas apenas de um dos pais, não apresentando a pelagem diferenciada.

O resto dos felinos não era salmiakki e tinha o DNA intacto. Com o estudo, publicado na revista científica Animal Genetics, os cientistas esperam revelar mais raças raras — e preservá-las melhor no futuro.

Leia a matéria no Canaltech
.

Trending no Canaltech:

Fonte

Enquete

O que falta para o centro de Campo Grande ter mais movimento?

Últimas