quinta-feira, 23 de maio de 2024
Campo Grande
29°C

Rádio SOUCG

IA pode ajudar a evitar catástrofes ambientais? Especialista comenta

Ricardo Syozi

IA pode ajudar a evitar catástrofes ambientais? Especialista comenta

Enfrentar qualquer tipo de catástrofe ambiental é um trabalho complexo que exige muita preparação, ainda mais quando toda a população de uma região é pega de surpresa. No entanto, é possível usar a tecnologia
como aliada, ainda mais a IA que evolui a cada dia. O Canaltech
conversou com um especialista para entender como a inteligência artificial pode ajudar a evitar esse tipo de problema — confira nas linhas a seguir.

Previsão e adaptação

É claro que a ideia não é colocar robôs com IA para impedir fisicamente o avanço de enchentes ou incêndios. O foco do uso da tecnologia é principalmente na previsão e adaptação de mudanças climáticas que podem resultar em situações horrorosas como as vistas no Rio Grande do Sul.

Sendo assim, o CEO da MadeInWeb e especialista em inteligência artificial, Vinícius Gallafrio, falou ao Canaltech
sobre o assunto. Segundo o executivo, a IA pode ser utilizada para analisar imagens aéreas e identificar áreas de risco, desmatamentos e movimentações de terra.


Participe do GRUPO CANALTECH OFERTAS no Telegram
e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

“Essas análises podem reduzir a quantidade de área que necessita de cobertura e facilitar a tomada de decisões eficazes”, comenta Gallafrio. “Em casos de catástrofes ambientais, a IA pode cruzar esses milhares de dados com previsões de chuva e históricos de outros desastres, pois possui a capacidade de verificar milhares de parâmetros, simular todos os cenários possíveis e direcionar avisos dentro dos sistemas de alerta das cidades”, continua.

Sem custo excessivo, diz o especialista

Devido à inteligência artificial ser uma tecnologia bastante requisitada nos últimos anos, é possível imaginar que seja custosa para as empresas e instituições. No entanto, Gallafrio afirma que pouco mudaria.

“Não seria um custo muito diferente de outros investimentos feitos na área da tecnologia, pois não se trata de algo extremamente recente ou inacessível para grande parte da população”, aponta. “É algo bastante difundido e que as empresas usam, então acredito que tenha bastante viabilidade, não teria nada restritivo para ser implementado”, finaliza o especialista.

Empresas como as brasileiras Sipremo e a Fractal Engenharia já utilizam a IA na prevenção de eventos catastróficos naturais.

E a população?

Além de governos e companhias privadas, Gallafrio acredita que a população também poderia ter acesso à tecnologia para se preparar da melhor maneira possível em casos como o das enchentes no Rio Grande do Sul.

“A população poderia ter uma IA para fazer perguntas diretamente e receber orientações a partir de uma base de conhecimento da defesa civil, das boas práticas e do que deve ser feito em situações de risco”, explica o CEO da MadeInWeb. “A Inteligência Artificial funcionaria basicamente como um canal de comunicação normal, podendo receber informações de forma autônoma para se preparar e saber o que fazer nessas situações de risco”, conclui.

Como ajudar o Rio Grande do Sul

Por enquanto, ainda há muito o que fazer para auxiliar as vítimas assoladas pelas enchentes no RS. O site AjudeRS apresenta pontos de coleta para doações
, enquanto canais oficiais aceitam Pix para ajudar as famílias
que muito perderam na tragédia.

Leia a matéria no Canaltech
.

Trending no Canaltech:

Fonte

Enquete

O que falta para o centro de Campo Grande ter mais movimento?

Últimas