sexta-feira, 24 de maio de 2024
Campo Grande
20°C

Rádio SOUCG

Ford muda estratégia após prejuízo milionário com carros elétricos

Paulo Amaral

Ford muda estratégia após prejuízo milionário com carros elétricos

A Ford
resolveu colocar o pé no freio no que diz respeito à estratégia de lançamento de novos carros elétricos no mercado, inclusive os mais acessíveis
. O motivo? Um prejuízo superior a meio milhão de reais por cada EV fabricado no primeiro trimestre de 2024.

Segundo reportagem da Bloomberg, a montadora vem sofrendo com a baixa demanda nos Estados Unidos e, por isso, interrompeu os pedidos de novas baterias junto às três fornecedoras de acessórios para os EVs da marca (SK On, LG
Energy Solution e CATL).

A ideia da montadora é estancar o enorme prejuízo acumulado entre janeiro e março de 2024. A estimativa é que a Ford perdeu US$ 100 mil (R$ 515 mil, na conversão) por carro elétrico produzido no ano, mais do que o dobro do revés registrado no período anterior.


Siga no Instagram
: acompanhe nossos bastidores, converse com nossa equipe, tire suas dúvidas e saiba em primeira mão as novidades que estão por vir no Canaltech.

Os relatórios mais recentes apresentados aos investidores apontam que as perdas do setor em 2024 podem ultrapassar a casa dos US$ 5,5 bilhões. Por isso, a companhia resolveu adotar uma série de medidas em relação ao seu futuro elétrico.

Ford faz cortes e adia lançamento de novos elétricos

As novas estratégias da Ford para reduzir os prejuízos incluem diversas mudanças no planejamento voltado para o segmento de carros elétricos.

As principais alterações em relação ao cronograma estabelecido para 2024 são:

  • Atraso no lançamento de novos modelos: próximo carro deve chegar só em 2026;
  • Redução de até US$ 12 bilhões nos investimentos em BEVs
    , HEVs
    e PHEVs
    ;
  • Corte nos preços dos carros elétricos que já estão à venda;
  • Adiamento na construção de novas fábricas de baterias.

Leia a matéria no Canaltech
.

Trending no Canaltech:

Fonte

Enquete

O que falta para o centro de Campo Grande ter mais movimento?

Últimas