sexta-feira, 21 de junho de 2024
Campo Grande
22°C

Rádio SOUCG

  • ThePlus Audio

Enchente no RS | Mancha de sedimentos invade o oceano

Nathan Vieira

Enchente no RS | Mancha de sedimentos invade o oceano

Como resultado da situação da enchente no RS
, sedimentos que passaram pela Lagoa dos Patos agora atingem o oceano, como indicam imagens de satélite divulgadas pela Universidade Federal do Rio Grande (FURG) no último domingo (26). Os registros mostram uma mancha escura tomando conta das águas.

Conforme mostram as imagens do satélite, os sedimentos são exportados para o Oceano Atlântico através dos Molhes da Barra. Sedimentos são feitos de pequenas partículas sólidas que resultam da quebra de rochas e materiais orgânicos. Essas partículas incluem pedaços de minerais, fragmentos de rochas, e restos de plantas e animais.

Desde o dia 21, já se tinha uma preocupação em torno dessa mancha de sedimentos, que desceu dos rios no interior do estado e se espalharam pela Lagoa dos Patos
.


Podcast Porta 101
: a equipe do Canaltech discute quinzenalmente assuntos relevantes, curiosos, e muitas vezes polêmicos, relacionados ao mundo da tecnologia, internet e inovação. Não deixe de acompanhar.

Dessa vez, é possível perceber uma mancha marrom que se estende até o extremo sul.

No lado inferior direito da imagem, podemos observar um zoom na saída do estuário, que mostra o ponto onde as águas da lagoa encontram o Oceano Atlântico, pelo Molhes da Barra.

Uma das preocupações destacadas pelos especialistas é que, como os sedimentos impedem a penetração da luz na lagoa, a mancha pode afetar os organismos que vivem nela.

O que é essa mancha de sedimentos

De acordo com o Laboratório de Oceanografia Dinâmica e por Satélites (Lods), podemos dizer que essa mancha funciona como um proxy
: uma assinatura da intrusão das águas do Lago Guaíba no interior da Lagoa dos Patos.

“Um fato importante de se destacar é que a Lagoa dos Patos já transporta uma quantidade alta de sedimentos do estuário em direção ao oceano, porém o que a gente vê aqui é um acréscimo considerável além da capacidade natural de transporte na lagoa”, mostra o professor Fabricio Sanguinetti, coordenador do LODS da FURG, em vídeo.

O especialista prevê que, “de acordo com a natureza do sedimento, ou seja, se ele é mais ou menos denso, poderemos ter um afundamento mais rápido de parte desse sedimento ao longo da trajetória da mancha em direção ao sul”.

O professor estima que ainda não temos a dimensão da consequência desse acréscimo de sedimentos na Lagoa.

“Ainda é muito cedo para tirar qualquer conclusão a respeito dos danos causados, porém entendemos que o turismo e a economia serão amplamente afetadas nessa região”, estima.

Nível das águas da Lagoa dos Patos

O Metsul compartilhou nas redes sociais as imagens das águas da Lagoa dos Patos quase alcançando a praça de pedágio na BR-392, entre Pelotas e Rio Grande. “Canal São Gonçalo atingiu 3,13 m ou 25 cm a mais que na enchente de 1941”, diz o instituto:

As previsões do tempo nos próximos dez é um respiro na situação da enchent no RS
. “Para os três estados do Sul devem ter precipitações muitíssimos inferiores ao que vinham registrando e em alguns pontos, como no Paraná e no Oeste do Rio Grande do Sul, podem sequer ter chuva. Nos locais em que chover neste intervalo de dez dias, os volumes serão baixos e sem qualquer interferência em níveis de rios, que seguirão baixando”, estima o Metsul.

Leia a matéria no Canaltech
.

Trending no Canaltech:



Fonte

Enquete

O que falta para o centro de Campo Grande ter mais movimento?

Últimas