sexta-feira, 21 de junho de 2024
Campo Grande
22°C

Rádio SOUCG

  • ThePlus Audio

Ciclone quase completo é destaque em incrível foto de satélite

Augusto Dala Costa

Ciclone quase completo é destaque em incrível foto de satélite

Uma curiosa foto mostra uma espiral de nuvens
“encostada” na costa da Península Ibérica em 2017, um registro feito pelo satélite Terra, da NASA
. O que os cientistas sabem é que o fenômeno é composto de nuvens e ar úmido do mar, misturado com o ar seco e limpo do continente.

A chamada rotação ciclônica, que também é responsável por tufões, ciclones e furacões
, não “finalizou” a espiral, no entanto — e isso os cientistas não sabem explicar. A rotação das nuvens da fotografia foi muito mais devagar e fraca do que a rotação de tempestades tropicais, impedindo que o ar seco e o ar nublado se misturassem completamente, impedindo o vórtex característico dos furacões
.

Isso também impediu que as nuvens entrassem no continente, criando o aspecto chamativo da imagem — no registro usado nesta matéria, luz infravermelha foi adicionada para deixar mais clara a diferença entre as nuvens e a terra.


Podcast Canaltech: de segunda a sexta-feira, você escuta as principais manchetes e comentários sobre os acontecimentos tecnológicos no Brasil e no mundo. Links aqui: https://canaltech.com.br/podcast/

O mistério do ciclone não formado

O motivo da rotação não ter finalizado é desconhecido pelos cientistas, mas há teorias. Stephen Joseph Munchak, meteorologista da NASA
, comentou ao Observatório da Terra que o fenômeno pode ter sido causado por um fluxo de turbilhonamento, ou seja, uma corrente de água temporária que vai até as profundezas do mar.

A onda de calor
extrema que se instalou no sul da Europa em julho de 2017 também pode ter tido um papel em impedir a mistura do ciclone. O calor criou uma grande diferença de calor entre os ares da terra e do mar, impedindo que as frentes de temperatura diversas se misturassem. No momento da foto, o clima na Espanha e em Portugal passava dos 40 ªC.

As nuvens
da espiral são stratocumulus marinhas, caracterizadas pela baixa altitude, abaixo de 1,8 km, e pela capacidade de cobrir até 6,5% da superfície da Terra. Elas são consideradas nuvens comuns, mas possuem um aspecto curioso: elas só se formam na costa oeste de qualquer trecho de terra do mundo.

Isso se dá pela sua formação, precedida pela subida de água fria do mar profundo até a superfície, resultado do Efeito Coriolis (ou seja, por conta da rotação da Terra). Isso resfria o ar e permite que o vapor de água condense, formando nuvens
.

Na costa leste das ilhas e continentes do planeta, o Efeito Coriolis não leva água fria até a costa, impedindo a formação das stratocumulus marinhas. As nuvens em redemoinho da foto se estenderam por centenas de quilômetros, persistindo por dias. Ciclones semelhantes surgiram na costa ibérica e do Marrocos no passado, mas não chegaram a ter nuvens tão bem definidas como no registro de 2017.

Leia a matéria no Canaltech
.

Trending no Canaltech:

Fonte

Enquete

O que falta para o centro de Campo Grande ter mais movimento?

Últimas