sexta-feira, 21 de junho de 2024
Campo Grande
22°C

Rádio SOUCG

  • ThePlus Audio

Chefe da ONU pede ação contra as energias fósseis enquanto mundo bate novo recorde de calor

CHARLY TRIBALLEAU

O secretário-geral da ONU, António Guterres, apelou à proibição da publicidade ao petróleo, ao gás e ao carvão — os principais impulsionadores do aquecimento global

Charly TRIBALLEAU

Os humanos representam o mesmo “perigo” para o planeta que “o meteorito que exterminou os dinossauros”, declarou nesta quarta-feira (5) o secretário-geral da ONU, António Guterres, depois de saber que o mundo bate recordes de calor há doze meses.

Guterres pediu, em um discurso em Nova York que coincidiu com vários relatórios internacionais alarmantes, a proibição da publicidade do petróleo, gás e carvão, as principais causas do aquecimento global.

“Na questão do clima, não somos os dinossauros. Somos o meteorito. Não estamos apenas em perigo. Somos o perigo”, disse António Guterres durante um longo discurso em Nova York por ocasião do Dia Mundial do Meio Ambiente.

As suas palavras acompanham a publicação coordenada dos últimos alertas científicos: maio de 2024 foi o mês de maio mais quente já registrado no mundo (em terra e no mar), o 12º mês consecutivo a bater o seu próprio recorde, segundo o observatório europeu Copernicus.

Há 80% de probabilidade de que a temperatura média global em um ano-calendário exceda “temporariamente” os níveis pré-industriais em mais de 1,5°C em pelo menos um dos próximos cinco anos, de acordo com a Organização Meteorológica Mundial (OMM).

Na última década estamos em aproximadamente 1,2° C, segundo estudo também publicado nesta quarta por dezenas de climatologistas renomados.

– Dados alarmantes –

A humanidade está, portanto, próxima do limite de 1,5°C adotado no Acordo de Paris de 2015, com uma diferença: esta meta de +1,5°C deve ser alcançada ao longo de várias décadas para ser considerada como o nosso novo clima estabilizado.

Um sinal preocupante, porém, é que o ano de 2023, o mais quente dos anais, terminou com uma anomalia de 1,48° C em relação a 1850-1900, segundo Copernicus, devido à mudança climática e a um aumento pontual do aquecimento contribuído pelo fenômeno natural El Niño.

Em um período de 12 meses contínuos, já foi ultrapassado 1,5° C: a temperatura média de junho de 2023 a maio de 2024 foi de +1,63° C, segundo Copernicus, em comparação com 1850-1900.

Algo nunca visto antes, provavelmente há milênios, segundo os climatologistas, que observam a multiplicação e intensificação de ondas de calor mortais, secas e enchentes devastadoras em todo o mundo.

“As emissões globais devem diminuir 9% anualmente até 2030 para que o limite de 1,5°C não seja ultrapassado”, lembrou António Guterres. Mas o pico não foi oficialmente alcançado.

Embora a humanidade tenha concordado em dezembro, na COP28 em Dubai, em abandonar gradualmente os combustíveis fósseis, o seu declínio não é iminente.

– “Estrada para o inferno” –

O principal alvo das críticas de Guterres, como de costume, é o setor das energias fósseis (carvão, petróleo, gás), “os padrinhos do caos climático” que “acumulam lucros recordes e se beneficiam de bilhões em subsídios”.

“Exorto todos os países a proibirem a publicidade de empresas de combustíveis fósseis”, assim como a proibição de outros “produtos que prejudicam a saúde, como o tabaco”, declarou António Guterres.

“É um momento crítico para o clima”, insistiu o secretário-geral, que apelou a “tomar a rampa de saída para abandonar a estrada que leva ao inferno climático”, em um momento em que os países devem apresentar novas metas de redução de emissões de gases de efeito estufa antes do início de 2025.

O secretário-geral reiterou ainda o seu apelo à tributação dos lucros da indústria fóssil para financiar o combate ao aquecimento global, mencionando também, sem especificar a sua ideia, impostos “de solidariedade” sobre os setores da aviação e do transporte marítimo.

“Mesmo que as emissões fossem reduzidas a zero amanhã, um estudo recente mostrou que o caos climático custaria pelo menos 38 bilhões de dólares (200 bilhões de reais) por ano entre agora e 2050”, sublinhou.

É muito mais do que os 2,4 bilhões de dólares (12,6 bilhões de reais) necessários até 2030 para que os países em desenvolvimento (excluindo a China) abandonem as energias fósseis e se adaptem ao aquecimento global, de acordo com um cálculo de especialistas da ONU.

Este discurso surge em um momento em que representantes de todo o mundo se reúnem em Bonn, na sede da ONU Clima, para avançar em negociações delicadas antes da COP29, marcada para novembro em Baku.

A conferência deverá terminar com um novo acordo sobre a ajuda financeira dos países ricos ao resto do mundo para alcançar os seus objetivos climáticos.

Fonte

Enquete

O que falta para o centro de Campo Grande ter mais movimento?

Últimas