sábado, 18 de maio de 2024
Campo Grande
19°C

Rádio SOUCG

Vivi Noronha comenta experiência de vida e maternidade

Nascida na comunidade do Rodo, no bairro de Santa Cruz, zona oeste do Rio de Janeiro, a influenciadora Vivi Noronha carrega em sua trajetória de vida, experiências completamente diferentes das vivenciadas atualmente. A jovem é filha de mãe solteira, tem seis irmãos, e ainda quando criança aprendeu a ter responsabilidades.

Vivi explica que não teve que começar trabalhar cedo, como acontece na realidade de muitas famílias brasileiras, mas sua vivência na comunidade a fez entender o mundo sob outra ótica. “Como mulher preta e periférica eu percebi que nós não somos tratados da mesma forma que um homem branco
morador da zona sul. A gente sofre preconceito, tem menos oportunidades, mas seguimos na luta para alcançar os nossos próprios espaços”, declara.

Mãe de três filhos, Júlia (5), Miguel (3), e Laura (2), Vivi engravidou pela primeira vez aos 14 anos: “Nós não programamos, mas aconteceu”, explica. Próximo ao dia das mães, a jovem faz um balanço dos últimos anos e destaca o quanto a maternidade a fez amadurecer rapidamente. “Passei por situações difíceis e tive uma depressão pós-parto quando o
Miguel nasceu”, desabafa Noronha.

A influencer conta que o seu sonho é proporcionar para os filhos a vida que não teve: “A realidade na favela é diferente. A luta é diária, a gente tenta sobreviver e mesmo com as batalhas que precisamos enfrentar diariamente, não falta a garra e a alegria no rosto”, conta. Vivi explica que é isso que pretende ensinar para as crianças: “Elas não vão passar por essas provações porque já têm contato com uma vida estabilizada financeiramente. Graças a Deus hoje eu consigo oferecer para eles tudo o que há de melhor”, comenta.

A jovem, que hoje mora numa mansão avaliada em 3,5 milhões, no Recreio dos Bandeirantes, continua dizendo: “Meus filhos são tudo para mim e eu sonho em ver todos os três formados, bem-sucedidos, aproveitando do melhor que a vida pode proporcionar”, finaliza Vivi.

Fonte

Enquete

O que falta para o centro de Campo Grande ter mais movimento?

Últimas