quinta-feira, 25 de julho de 2024
Campo Grande
25°C

Rádio SOUCG

  • ThePlus Audio

Quem é Marina Mamede, streamer e ativista que morreu aos 34 anos em MG

A influenciadora digital ativista Marina Mamede, de 34 anos, foi enterrada neste domingo (7) no Cemitério Municipal Parque da Esperança, em Bom Despacho, em Minas Gerais, cidade de infância da streamer.

Marina morreu na última sexa-feira (5), na cidade de Ouro Preto. Até o momento, a causa da morte não foi divulgada. Ela deixa três filhos.

A streamer ganhou notoriedade durante as eleições de 2022, quando defendia pautas de esquerda nas redes sociais. Ela chegou a presidir o Conselho Municipal de Segurança Alimentar Nutricional Sustentável (Conseas-OP) em Ouro Preto.

Em 2022, a influenciadora viralizou após fazer um vídeo em que dizia que era uma bolsonarista arrependida. Na sátira, ela teria desistido de votar no ex-presidente da República Jair Bolsonaro (PL) após descobrir que o mesmo era maçom. Ela ainda brinca ao dizer que o presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), seria “um verdadeiro cristão”.

Marina possuia mais de 40 mil seguidores no Instagram, onde fazia diversos vídeos com os filhos com mensagens motivacionais. 

Com a notícia da morte, p deputado federal André Janones (Avante-MG) foi um dos que lamentou a morte nas redes sociais: “Recebi com muita tristeza a notícia da partida da Marina Mamede, que foi covardemente perseguida por suas posições políticas. Que Deus a receba em sua infinita misericórdia e conforte o coração da família”, escreveu. “Sua contribuição em 2022, na batalha pela democracia, jamais será esquecida e diante da finitude da vida, te tornará eterna em nossas lembranças. Descanse em paz”

A Polícia Civil informou em nota que o corpo da streamer foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML) para perícia. “A PCMG esclarece que a perícia oficial esteve no local realizando os levantamentos necessários à investigação. Tão logo seja possível, outras informações serão divulgadas”, afirma.

Fonte

Enquete

O que falta para o centro de Campo Grande ter mais movimento?

Últimas