sexta-feira, 24 de maio de 2024
Campo Grande
20°C

Rádio SOUCG

Paolla Oliveira relembra 'bloqueio' com sexo e sensualidade na TV

A atriz Paolla Oliveira passou por um processo de ressignificação da própria sensualidade. Em entrevista recente, a artista revelou ter transformado o entendimento sobre o sexo e a forma de exposição desse tema, seja na vida pessoal ou em trabalhos artísticos. 

Ao podcast ‘E Você?’, Paolla Oliveira revelou que tinha dificuldades em viver o prazer, no sentido amplo da palavra. A atriz precisou amadurecer para, atualmente, por exemplo, abraçar o empoderamento sexual feminino e a exposição do tema.

“Eu gosto agora da mulherada falando de sexo… O sexo vinha para mim sempre como um setor proibido, onde as pessoas estão me espiando, são voyeur e, assim, eu acho que é um lugar tão natural da nossa vida”, refletiu.

O sentimento também atingia a forma com que Paolla expunha os prazeres rotineiros da própria vida nas redes sociais. “Tô mostrando [mais meu] relacionamento, a conquista de uma casa, que antigamente eu jamais abriria a porta da minha casa… A gente tem tanto orgulho de mostrar que está trabalhando e por que quando a gente conquista alguma coisa não mostra? Por que não mostro quando tô bem no meu relacionamento? Então mostro o prazer que é estar na companhia de alguém ou na companhia de amigos”, declarou.

Problemas com trabalhos sensuais

Na entrevista, Paolla revelou ter tido muita dificuldade para compreender a própria sensualidade nos trabalhos artísticos. Isso porque a atriz rejeitava estar em papéis que exploravam questões relacionadas a sexo. Inclusive, ela tinha receio do voyeurismo de quem assistia às cenas mais picantes.

“E digo que essas cenas falam muito mais sobre quem está assistindo, do que quem está fazendo. Para mim é um trabalho, como bater na cara de alguém, fazer um textão, se emocionar, ter que chorar, é tão difícil quanto”, comparou.

Por vezes, Paolla conta ter fugido dos papéis sensuais que lhe eram oferecidos. “Eu achava que era um lugar ruim que estavam colocando a mulher, que estavam me colocando naquele lugar, e que eu ficar só presa ali e eu não me contentava com aquilo, falava ‘não, eu não quero estar aí vou sair’, desde as roupas que eu tentava esconder ou quando falavam dessas cenas eu corria o assunto porque não queria falar”, relembrou.

A mudança de pensamento ocorreu ao passo que Paolla foi se sentindo mais confortável com o próprio corpo e compreendendo mais a naturalidade da sensualidade. 

“Eu me coloquei num lugar muito confortável, que foi de falar assim ‘ok, isso faz parte da vida, não tenho problema de fazer essas cenas, meu corpo serve para o meu trabalho, para eu me movimentar por essa vida, sim, [de forma] sensual, sim, com curvas, com o corpo que eu posso ter aos 20, aos 30, aos 40, sendo essa potência que tem a força da sensualidade feminina’. Essa troca fiz muito claramente. As pessoas falam ‘você está mais bonita’, é porque eu estou mais bem colocada nessa potência que a gente pode ser sendo sensual”, completou.

Fonte

Enquete

O que falta para o centro de Campo Grande ter mais movimento?

Últimas