sexta-feira, 12 de abril de 2024
Campo Grande
24°C

Rádio SOUCG

Família de Mingau vive com auxílio do SBT após gastar com cirurgias

Nesta quarta-feira (3), em entrevista ao Chega Mais, do SBT, Isabelle Aglio, filha de Mingau, revelou que ela e sua mãe, Annamaria Aglio, deixaram de trabalhar apenas para cuidar do músico, que levou um tiro na cabeça em setembro de 2023. Com o afastamento do pai do The Noite com Danilo Gentili, onde ele tocava com a banda Ultraje a Rigor, sua família passou a receber um auxílio da emissora.

A filha do artista explicou que já investiu R$ 325 mil em tratamentos médicos e procedimentos cirúrgicos e ainda há a estimativa de que mais R$ 300 mil sejam gastos. Para conseguir arcar com todos os gastos, Isabelle Aglio abriu uma vaquinha online e ainda conta com a ajuda de shows beneficentes realizados pelo grupo.

“Acharam que eu estava me aproveitando. Perguntaram: ‘Nossa, ele está na TV, por que você está fazendo isso?’, ‘vocês são ricos’. Mas a verdade é que a gente não sabe o que vai acontecer. Ele está com a traqueostomia ainda. É um tratamento multidisciplinar”, disse.

“Eu e minha mãe estamos à frente de tudo. Ela parou a vida dela para me ajudar. Sou filha única e tenho que cuidar da vida dele. Vivemos com dificuldades, mas eu trabalho também, sou influenciadora. Dei uma pausa porque é difícil, e estamos recebendo auxílio do SBT, que ajuda muito”, admitiu.

“Ele está no hospital, sem previsão de alta. Passou quatro meses na UTI, depois foi para uma clínica de reabilitação, mas teve um problema gastrointestinal lá, uma infecção. Desde o dia 2 de fevereiro ele precisou voltar para o hospital. Está na UTI, mas por precaução”, concluiu.

De acordo com ela, Mingau passará por uma cranioplastia, uma cirurgia reparadora para recuperar a função protetora do crânio: “Com esse valor arrecadado, nós conseguimos pagar as duas cirurgias e estamos sem dívidas, mas ele ainda está internado e fará outra cirurgia muito em breve”.

“Ele fará uma cranioplastia, porque ele perdeu uma parte do crânio, não deu para salvar após o tiro. Então ele precisará colocar essa prótese não apenas por estética, mas para proteger. Isso pode ajudar na reabilitação dele, vai facilitar (…) Hoje são sete meses de internação. Foi muito intenso, ninguém sabia se ele iria sobreviver, então o primeiro mês foi um caos. Não saíamos de lá, eu e minha mãe. Tinha um aparelho que media a atividade cerebral, então falávamos com ele pela máquina. Ele tinha algumas reações, mas estava totalmente sedado”, finalizou.

*Texto de Júlia Wasko

Júlia Wasko é estudante de Jornalismo e encantada por notícias, entretenimento e comunicação. Siga Júlia Wasko no Instagram: @juwasko

Fonte

Enquete

O que falta para o centro de Campo Grande ter mais movimento?

Últimas