domingo, 21 de julho de 2024
Campo Grande
31°C

Rádio SOUCG

  • ThePlus Audio

Babi Xavier afirma estar lutando contra imagem de 'sex symbol'

A atriz e apresentadora Babi Xavier, que completa 50 anos, comentou em entrevista ao Gshow no último sábado (6) que tem tomado novos rumos em sua vida. 

A modelo, que chegou a apresentar programas como o “Erótica MTV” (1999) e o reality “Ilha da Sedução” (2002), no SBT, refletiu sobre o título de sex symbol que ganhou no final dos anos 90.

“Fui mulher, branca, hétero, cis, classe média, para ser apreciada, como muitas. Fui criada para não ser líder. Isso não era consciente nos meus pais, acho que se existissem todos os estudos de hoje, as escolhas dos meus pais seriam mais aderidas aos pensamentos atuais. Mas fui criada pelo senso comum. Quando te colocavam no lugar de linda, de sex symbol, você ficava agradecida, sentia um quentinho no coração. Era o lugar do ‘eu sou aceita'”, explica.

Babi então reflete que vem lutando contra tais representações em sua vida: “Fui vencendo isso aos poucos, e estou lutando contra isso até hoje, em outro nível do videogame. Os obstáculos são muito fortes, para mim e todas as mulheres da minha época. Você vê que quando você tenta ser livre, ter uma conduta mais consciente de si, você é afrontosa. […] Isso é triste”.

Vida sexual

A apresentadora, que passou por três casamentos, confessa que já dispensou um cantor internacional famoso – “Eu ouvi dele: ‘Babi, você vai me desculpar, não quero ser arrogante, mas você foi a única mulher que me deu um não na vida'”.

Sobre se entraria em um novo casamento, a atriz afirma que sim: “Estou solteira há muito tempo, desde quando o pai da minha filha terminou o terceiro casamento comigo. Este ano vou terminar minha faculdade, completo 50, minha filha faz 13, e estou me sentindo pronta para um relacionamento.”

Babi, no entanto, entrega que é adepta aos vibradores e afirma que é um autoconhecimento: “Ter um eletrônico em casa é maravilhoso, é um desestressor. Vou eu e os robozinhos, a gente tem várias zonas erógenas no corpo e não explora. Viva à internet, que traz o seu prazer na sua casa. Você vai lá, dá um clique. E não está caro hoje em dia. É autoconhecimento”.

Fonte

Enquete

O que falta para o centro de Campo Grande ter mais movimento?

Últimas