quinta-feira, 20 de junho de 2024
Campo Grande
21°C

Rádio SOUCG

  • ThePlus Audio

Hérnia perineal: cães machos e mais velhos são os mais acometidos pela doença

Assim como os humanos que com o avançar da idade precisam de mais cuidado e atenção com a saúde, para os animais também se aplica essa regra. A alimentação é chave importante para uma vida longeva e saudável, que necessita de atenção e adaptação. Uma alimentação inapropriada, de baixa qualidade, com pouco teor em fibras e pouco acesso a água, contribui para que os cães possam desenvolver hérnia perineal, doença caracterizada pelo enfraquecimento ou ruptura dos músculos do períneo, região localizada entre o ânus e os órgãos genitais.

Este problema resulta no deslocamento de órgãos ou tecidos abdominais para fora da cavidade abdominal, causando uma massa visível e palpável ao redor da área afetada.

Segundo o médico-veterinário da Subea, Edvaldo Salles, os cães machos são mais propensos a desenvolver a doença, assim como os de idade avançada. “Com o passar do tempo o corpo dos animais vai perdendo o tônus muscular, ficando mais fraco, o que acaba possibilitando uma abertura nesse músculo e causando uma hérnia. As causas exatas ainda não são totalmente compreendidas, mas acredita-se que o desequilíbrio hormonal e a constipação crônica possam contribuir para o desenvolvimento da doença”.

Ainda segundo o veterinário, os sintomas variam dependendo da gravidade da condição. Em casos leves, o cão pode apresentar desconforto ou dificuldade para defecar. Nos casos mais graves, pode haver retenção urinária, constipação severa e dor intensa. A massa pode ser visível, especialmente quando o cão está de pé ou se esforçando para defecar.

No último mês, a Subea atendeu quatro cães que deram entrada na subsecretaria e foram diagnosticados com hérnia perineal. É o caso do King, que segundo seu tutor Josley Romero, começou a apresentar a protuberância de um dia para o outro e viu que o animal estava com dificuldades para andar. “No final de semana, percebi que a parte traseira dele estava inchada e uma amiga indicou levar na Subea para avaliação”, lembrou o tutor que após consulta foi encaminhado para UFMS através do convênio da Prefeitura com a universidade para atendimentos de média e alta complexidade. Josley conta que no dia seguinte à consulta, King foi operado e se recupera em casa. “Hoje ele está bem, e estou dando uma alimentação pastosa juntamente com o laxante para que ele não precise fazer força ao defecar e acabe estourando os pontos. Emagreceu um pouco, mas já está conseguindo andar sem dificuldade”, relatou.

Outro caso foi do cachorro Léo, que foi resgatado por dona Maria Merces e chegou até a Subea com estado clínico que demandava atenção. Edvaldo conta que ele chegou com desidratação severa, muito magro e com um volume próximo ao rabo. “Após ultrassom que realizamos aqui na nossa unidade, verificamos que ele estava com uma hérnia e que alguns órgãos estavam fora do lugar, além de um fecaloma (acúmulo de fezes) enorme que estava obstruído pela hérnia. Esse animal foi encaminhado para a UFMS através do nosso convênio, precisou ficar internado por 15 dias para estabilizar sua condição clínica e somente após essa melhora ele foi operado”. 

O veterinário ressalta que a cirurgia envolve a reparação dos músculos do períneo e pode incluir a castração, pois a presença dos hormônios sexuais masculinos pode exacerbar o problema. O sucesso da cirurgia é geralmente alto, mas depende do estado geral de saúde do cão e da gravidade da hérnia. 

No pós-operatório, é essencial fornecer cuidados adequados, incluindo restrição de atividades físicas, uso de medicamentos para aliviar a dor e prevenir infecções, e acompanhamento veterinário regular para monitorar a recuperação.

Consultas

A Prefeitura de Campo Grande, através da Subea, disponibiliza consultas veterinárias gratuitas para cães e gatos dos tutores da Capital. As segundas, terças, quintas e sextas-feiras são distribuídas 30 senhas, 15 pela manhã, a partir das 7h30 e 15 à tarde, a partir das 13h. O tutor interessado deve levar além do animal, documento com foto, comprovante de residência e o NIS atualizado. 

Fonte

Enquete

O que falta para o centro de Campo Grande ter mais movimento?

Últimas