sexta-feira, 21 de junho de 2024
Campo Grande
22°C

Rádio SOUCG

  • ThePlus Audio

Ações estratégicas e trabalho permanente consolidam Campo Grande como referência no combate à dengue

No passado, surtos e epidemias de dengue castigavam a população campo-grandense. Hoje, o cenário é totalmente diferente. Campo Grande figura entre as cidades com menor incidência da doença em Mato Grosso do Sul e se tornou referência graças às ações estratégicas e o trabalho permanente de enfrentamento à dengue.

Conforme dados da Coordenadoria de Vigilância Epidemiológica da Secretaria Municipal de Saúde (CVE/SESAU), de janeiro a maio do ano passado foram notificados  13.618 casos de dengue, enquanto no mesmo período deste ano foram 8.745 casos notificados, o que representa uma redução de aproximadamente 35%.  O número de óbitos também é menor. Em 2023 a doença fez 4 vítimas fatais nos cinco primeiros meses do ano. Já neste ano nenhuma morte foi registrada em Campo Grande.

Neste ano, o maior volume de notificações ocorreu no mês de março, com 2.562 casos, enquanto que em 2023 foram 3.803 casos notificados no período mais crítico, também no mês de março. Os meses subsequentes apresentaram redução.

Apesar da estabilidade atual, a secretária municipal de Saúde Rosana Leite de Melo reforça o alerta à comunidade sobre a importância de manter as medidas de prevenção e combate ao mosquito Aedes aegypti.

“Mesmo diante de indicadores positivos que são frutos das ações implementadas pela gestão, é imperativo não relaxarmos. A prevenção e o combate ao mosquito Aedes aegypti devem permanecer como prioridade. Ações simples, porém altamente eficazes, como a eliminação de criadouros em nossas residências, evitar o acúmulo de água parada, garantir o fechamento adequado das caixas d’água e a utilização de telas nas janelas, são essenciais”, destaca.

A redução expressiva no número de casos de dengue em Campo Grande é reflexo do trabalho que vem sendo executado nas sete regiões e distritos do município, além de ações estratégicas que envolvem a sensibilização da população, monitoramento de áreas de risco, visitas domiciliares, remoção de materiais inservíveis e de potenciais criadouros do mosquito e eliminação de focos.

No início do ano, a Prefeitura de Campo Grande lançou uma megaoperação, denominada “Meu Bairro Limpo – Todos contra a Dengue”, que está percorrendo as sete regiões urbanas e distritos do município.  Na última semana foi lançada a quinta etapa da campanha na Região Segredo.

No total, as quatro etapas da campanha resultaram na inspeção de 49.365 imóveis em toda a área abrangida, com a eliminação de 29.968 depósitos e a erradicação de 1.970 focos do mosquito-da-dengue. Estes números refletem o sucesso e a importância da campanha, que busca não só tratar dos focos existentes mas também prevenir futuros surtos, protegendo assim a saúde pública.

Na Região Anhanduizinho, foram inspecionados 11.732 imóveis, resultando na eliminação de 7.479 depósitos que poderiam servir como criadouros para o mosquito. Além disso, 442 focos foram efetivamente encontrados e eliminados, reduzindo consideravelmente o risco de propagação da doença na área.

Por sua vez, a Região Lagoa apresentou um progresso notável com 13.800 imóveis inspecionados e 9.874 depósitos eliminados, com a descoberta e eliminação de 456 focos do mosquito. Esse esforço demonstra um compromisso robusto na prevenção da dengue na região.

A Região Bandeira, que teve a maior quantidade de inspeções, com 19.268 imóveis visitados, também mostrou números expressivos. Foram eliminados 8.973 depósitos, e os agentes de saúde conseguiram eliminar 863 focos, indicando uma intervenção eficaz contra a proliferação do mosquito na região. Já na Região Prosa, foram 4.456 imóveis inspecionados, 3.635 depósitos eliminados e 209 focos encontrados.

Paralelo à campanha, o trabalho de rotina e monitoramento é intensificado com o uso das chamadas “Ovitrampas”, além da sensibilização e engajamento comunitário, através das ações de Educação em Saúde nas escolas públicas e privadas e empresas, além do trabalho diário do Fumacê em áreas de maior incidência da doença.

O município também apostou na instituição e fortalecimento de parcerias, ampliando a adesão ao projeto “Colaborador Voluntário”, que tem o objetivo de instituir a cultura da prevenção, implementando ações compartilhadas entre o poder público e privado, propiciando às empresas envolvidas no processo condições para desenvolverem de modo eficiente o programa de prevenção, evitando as doenças de caráter endêmico e epidêmico.

#pratodosverem    Na matéria há quatro imagens: 1) Ilustrando a capa mostra uma servidora inspecionando um quintal, checando vasos de plantas e latas de tinta; 2) gráfico que mostra casos mensais de dengue em 2023/2024; 3) mostra um agente da Sesau esvaziando uma vasilha plástica; 4) caminhonete da Sesau realizando aplicação do fumacê pelas ruas de Campo Grande.

Fonte

Enquete

O que falta para o centro de Campo Grande ter mais movimento?

Últimas