quinta-feira, 25 de julho de 2024
Campo Grande
29°C

Rádio SOUCG

  • ThePlus Audio

Piloto agrícola brasileira morre em operação de combate a incêndio

A piloto agrícola brasileira Juliana Turchetti, 45 anos, morreu na quarta-feira (10) em um acidente aéreo durante uma operação de combate a incêndio florestal em Montana, nos Estados Unidos.

Turchetti, natural de Contagem, Minas Gerais, era piloto agrícola no Brasil e nos Estados Unidos.

O acidente ocorreu durante uma manobra de captação de água em um lago próximo à Floresta Nacional de Helena. Testemunhas relataram que o avião de Turchetti pareceu ter batido em algo antes de se despedaçar e afundar.

O avião se despedaçou na água e afundou. O Conselho Nacional de Segurança nos Transportes dos EUA (NTSB) investiga as causas do acidente.

O Sindicato Nacional das Empresas de Aviação Agrícola (Sindag) lamentou a perda da piloto.

“Juliana representava não somente a determinação e a coragem dos pilotos brasileiros, mas era também um exemplo de profissionalismo, pela linda trajetória”, disse a presidente do Sindag, Hoana Almeida Santos.

Colegas de profissão também prestaram homenagens a Turchetti. A piloto agrícola Joelize Friedrichs a descreveu como uma inspiração para muitas mulheres no setor.

“Ela realizou o sonho de muitas nós, que é voar o Fire Boss e estava construindo a carreira dela nos Estados Unidos”, comentou, referindo-se à versão do avião agrícola Air Tractor AT-802, modelo concebido justamente para operar em combate a incêndios a partir de lagos e represas e que ainda não existe no Brasil.

Os governadores de Montana e Idaho, Greg Gianforte e Brad Little, emitiram uma nota conjunta lamentando a morte de Turchetti.

Juliana Turchetti tinha mais de 6,5 mil horas de voo e iniciou sua carreira na aviação em 2007. Em 2018, mudou-se para os Estados Unidos, tornando-se a primeira brasileira a voar em lavouras no país. Em 2022, abriu uma cafeteria em Springfield, Illinois.

Juliana realizou sua primeira operação real com o Fire Boss no dia 4 de julho, combatendo incêndios no estado de Washington. “Alguns nos chamam de heróis. Gosto de dizer que somos pessoas comuns fazendo algo extraordinário”, escreveu ela em sua última postagem no LinkedIn.

Fonte

Enquete

O que falta para o centro de Campo Grande ter mais movimento?

Últimas